83 3044 1000

João Pessoa

Olá, como você se chama?

Quem tem visão monocular poderá ter direito à benefício junto ao INSS?

Por Marília Dias (Advogada Associada)

Em 22 de março de 2021 foi sancionada a lei nº 14.126/21 que classifica a visão monocular como deficiência visual.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a visão monocular é caracterizada quando a pessoa tem visão igual ou inferior a 20% em um dos olhos, enquanto no outro mantém visão normal.

Com a publicação da referida lei, as pessoas portadoras de visão monocular poderão ter acesso à benefícios previdenciários, como por exemplo, a aposentadoria por invalidez ou benefício assistencial, desde que preenchidos todos os requisitos fixados em lei.

Além de se tornar possível a concessão de benefícios previdenciários para o portador de visão monocular, a lei também assegura outras proteções aos monoculares, quais sejam: isenções tributárias na compra de automóveis e outros equipamentos e o acesso gratuito, através do Sistema Único de Saúde (SUS), a medicamentos e próteses.

Por fim, é importante frisar que para a concessão dos benefícios acima mencionados, se faz necessário que a pessoa portadora de visão monocular seja submetida a uma avaliação médica que irá identificar a existência ou não de deficiência e/ou incapacidade laboral. Para maiores esclarecimentos sobre o tema, consulte um advogado especializado em direito previdenciário.

Posts Relacionados

Publicações

Requisição de auxílio por incapacidade temporária sem perícia médica

8 Abril 2021

Por Jéssica Yohara (Advogada Associada)

Publicações

Você sabe o que significa alimentos gravídicos?

7 Abril 2021

Por Larissa Raulino (Advogada Associada)

Publicações

Autista pode receber algum tipo de benefício previdenciário?

5 Abril 2021

Por Edrise Xavier (Advogado Associado)

Publicações

Você sabia que o salário-maternidade pode ser prorrogado?

1 Abril 2021

Por Marília Yasmine (Advogada Associada)

Publicações

Como pode ser feito o reconhecimento da união estável?

31 Março 2021

Por Larissa Raulino (Advogada Associada)