83 3044 1000

João Pessoa

Olá, como você se chama?

MP 905/2019 - Benefícios para as empresas

A MP 905/2019, responsável pela criação do contrato de trabalho Verde e Amarelo, trouxe em seu texto um desencargo muito importante para o empresário brasileiro uma vez que, em seu art. 24, extingue, desde 1º de janeiro deste ano, a obrigação que as empresas possuem de recolher o adicional de 10% da multa rescisória que incide sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

A citada multa foi criada pela lei complementar nº 110/2001, sob a justificativa de ser temporária para recompor as perdas das contas do FGTS face a correção monetária dos planos econômicos Verão e Collor I. Ocorre que a recomposição ocorreu até 2007 e, até a presente data, as empresas continuam recolhendo a referida multa.

Nesse norte, o Supremo Tribunal Federal (STF) está analisando em sede de repercussão geral a inconstitucionalidade dessa medida tanto pelo fato da perda da finalidade de recomposição do fundo quanto por possuir base de cálculo diversa da constitucionalmente definida.

Diante disso, as empresas podem buscar judicialmente a interrupção da prestação e, ainda, o ressarcimento dos últimos sessenta meses recolhidos, haja vista a MP 905/2019 ter tacitamente respaldado a tese da inconstitucionalidade da contribuição social mesmo depois de atingida sua finalidade.

Posts Relacionados

Publicações

Como prorrogar o benefício de auxílio por incapacidade temporária?

12 Agosto 2020

Por Ivla Mirelle (Advogada Associada)

Publicações

Decisão comentada: acúmulo de pensão e aposentadoria do servidor público

12 Agosto 2020

Por Nayane Ramalho (Advogada Associada)

Publicações

Tempo de salário-maternidade deve ser computado para aposentadoria

10 Agosto 2020

Por Edivanildo Nunes (Advogado Associado)

Publicações

TCU convoca servidores que acumulam pensão por morte e aposentadoria

3 Agosto 2020

Por Héllen Katherine (Advogada Associada)

Publicações

Utilização de unidades residenciais para fins comerciais em condomínios

29 Julho2020

Por Larissa Raulino (Advogada Associada)

Fale
conosco